12.2.08

vozes e momentos

no silêncio e num dado momento
nesta grande cidade, com mãos livres
travo o tempo

oiço os que partem para o regresso e vejo neles o desejo de agora começar

tão perto de nós está esse lugar, cada vez mais longe
precisam ver-se, estar com eles
partilhar

entre vozes e momentos
neste pequeno espaço no mundo, de olhos postos no céu
páro os pensamentos

vejo as luzes a acender, o Sol a apagar e oiço os sons do dia a acabar

tão longe essa voz perto, cada vez mais próxima
quero sentir-me, estar comigo
curtir-me

neste grande casarão, com estradas e atalhos
mais fácil é comunicar, mais difícil é estar
dicotomia de prioridades, crescidas com as cidades

o homem é económico, é social e é emotivo
nem só acelerador e produtor, é também criativo e sonhador
somos castrados logo na nossa pele, privada de ser tocada pelo ar e colorida pelo Sol
gozar a amizade e a tranquilidade, não serão também direitos da Liberdade?

no fim, quando me escuto a mim,
restam apenas vozes e momentos,
e quando volto ao princípio,
novamente, busco as vozes e os momentos...

2 comentários:

_aifos_ disse...

Nem sempre se guarda o tempo...

Gostei de te ler!

Pratas disse...

Bonito texto