24.7.07

M-A-R-I-A

Maria…
Esse teu nome que durante anos desconheci,
E que descobri através de outros, no outro dia.

Se viveste muitas primaveras antes do meu nascimento,
Se cresceste de um modo diferente do meu, noutra geração,
Não posso dizer que a nossa empatia teve um momento.

Numa amizade como a nossa, que resistiu à separação,
Ficando muito ainda por saber,
Resta-nos aproveitar a vida e proporcionar mais conversas com emoção.

Pediste-me uma vez umas hortências pintadas,
Um pormenor que me falaste e a que não sou nem nunca serei alheia,
E hoje vives na primeira pessoa as Ilhas Encantadas!

A vida tem-te libertado,
Os dias têm-te surpreendido,
Vamo-nos acompanhando uma a outra, e eu vou vendo e sorrindo : )

Aqui te deixo este pedacinho meu.
Diz-se que entre as pessoas queridas fica muito por partilhar,
Mas entre nós, o importante não o cansamos de dizer e, mais importante, de o dar!
Grata por ti @--;--

3 comentários:

Anónimo disse...

Escrevi o teu nome no vento, convencido que o escrevia, na folha do esquecimento, que com o vento se perdia.
Pobre de mim... não pensava, que tal e qual... como eu, o vento se apaixonava, por esse nome que é teu. ... Marias... Que bonito nome!

Sem Naufragar disse...

Também o adoro : )
Bem-vindo(a)!
Isa

Cati disse...

Eu subscrevo, até pela pessoa mais importante na minha vida ter esse nome - a minha mãe.
Ah, gosto também das hortênsias não morasse neste paraíso que são os Açores...:)
Bons naufrágios **