29.1.09

email que me entrou pela caixa adentro

Ricardo Pereira (dispensa apresentação) escreveu sobre a crise. Como sempre, puxa um assunto sério da actualidade, dá-lhe várias pitadas de sal (talvez mesmo, pedras de sal!), e com actos de malabarismo impressiona o leitor, juntando ao humor os factos. Leio-o atentamente e, tendo em conta o seu sarcasmo, que valorizo, desta vez Ricardo deixa-me dizer-te que, a coisa é séria. Claro, senão fosse nem tinha piada!
Para quem não leu (espero que poucos), o artigo dá uma certa leveza à crise, referindo as crises em que temos estado mergulhados, referindo indicadores de anos passados e dando a ideia de que "quantas são? venham elas!". Claro que, esta visão já a tenho encontrado nos corredores da empresa onde trabalho, nos cafés, and so on. Sério, há pessoas a dizer coisas do tipo: "mas desde quando é que nós não estamos em crise?" Desemprego? Não há crescimento? So what?
Bem, a mim faz-me uma certa urticária quando essas palavras me entram pelos timpanos (e eu já nem os tenho muito bons)!
Gostava de conseguir ler a realidade assim. Até podia dizer na frente de um espelho 500 vezes algo como "A crise é psicológica! A crise é viciante! É cíclica!!" YAH, podia. Ou gravar estas frases, abrir o crânio e "encaixar" as ditas cujas. YAH, podia ser que a minha mentalidade absorvesse estas verdades absolutas. São-no. A questão é que, nós estamos a vivê-la. PARECE-ME A MIM, estamos como que a emagrecer o barco para procurar atravessar a tempestade. E embora Portugal seja uma noz no meio dos cargueiros do Oceano que é o mundo, existem pessoas em Portugal (famílias). E, se o endividamento era grande, agora é BEM MAIOR.
Não tenho bola de cristal. É preciso? E não tenho Maya no nome. Pessoal, há um certo tipo de delinquência a aumentar. E estamos a falar de algo so simple as: está a aumentar o nº de pessoas que contrai um crédito e que falha logo na 1ª prestação. Ok Ricardo, pode ser só mais um indicador, e estes casos já existiam. Mas quando este tipo de número aumenta, é um sinal. É como olhar para o céu carregado de nuvens e pensar "vai chover".
Está bem, o dinheiro existe. Ok, está mal distribuído. Mas o Zé Povinho vai ter de cortar em muita coisa, e não me refiro, pois claro, a evitar apenas a compra da tecnologia de ponta!
Pode ser uma visão simplista, mas é a minha. E, podemos chamar-lhe CRISE ou crisesinha, mas ela está aí e ainda vai durar.
O lado positivo:
.vai aprender-se com a crise
.vai assistir-se a um cenário que esta geração ainda não viu
.vão promover-se ideias XPTO que tragam boas soluções
Bale! Mas vamos viver a crise. Mesmo que sejamos um país habituado a ouvir que estamos na cauda, crise é crise e esta é bem real.
Nunca estamos preparados para qualquer momento difícil. Mas seria positivo aceitar que o que se passa pode acontecer-nos a nós. Acreditar que o desemprego pode bater a qualquer porta. E agora, tentem lá dar leveza a isto.
Ricardo Pereira disse que "a crise está em crise". A crise está, mas efectivamente, nós também.

2 comentários:

Amaral disse...

Tens toda a razão nesse teu desabafo.
Não precisas de bola de cristal e ainda bem que não és a Maya.
Toda a gente, muito mais os que têm pouco ou não têm emprego ou vivem de pensões baixas ou têm filhos pra alimentar e estudar ou têm uma casa pra pagar ou um carro ou uma máquina de lavar... muita gente esta "crise" vai atingir e tornar mais triste...
Tudo tem o seu lado positivo, é verdade! Até mesmo uma crise no mundo!...

Pratas disse...

Texto muito sentido. Espero que sobrevivas à crise sem danos irreversíveis.

Beijinhos